Babá ou escolinha, como escolher entre essas opções?

Babá ou escolinha, como escolher entre essas opções?

Babá ou escolinha, como escolher entre essas opções quando a licença maternidade acaba e você precisa voltar ao trabalho?

 

babá ou escolinhaE para dar dicas sobre o assunto de como escolher entre babá ou escolinha, chamamos a Juliana Krebs Aguiar. Ela á mãezona do Ruy, que teve de voltar ao trabalho quando ele ainda era bebezinho, e passou por esse dilema. Confira abaixo o que ela diz!

Que idade seu filho tinha quando começou a ser cuidado por outros?

Ele estava com 4 meses quando passou a ser cuidado por babá, não porque eu tenha decidido, optado, mas porque retornei ao trabalho e a escola que eu queria não tinha vaga no berçário.  Além de que não havia ninguém na família disponível para ficar com ele.

Como foi o processo de escolha entre escolinha e babá? Por qual optaram e porque?

Sempre preferi escolinha à baba, mas não tive muita opção, pois só havia reservado vaga na escolinha para quando ele estivesse com 6 meses, e tive de retornar antes ao trabalho.

Quando ele completou 6 meses, seguimos com a escolha inicial e o levamos para a escolinha.

Como foi a adaptação do seu filho? 

Com a babá foi muito tranquilo, pois ela estava comigo desde que ele nasceu, criando assim um vínculo de confiança naturalmente.

Já na escola, colocamos o Ruy a primeira vez com 6 meses e a adaptação foi fácil e feita em uma semana. No entanto, ele ficou muito doente e, como moramos no RS, resolvi tirá-lo da escolinha no início do inverno. Passou o inverno em casa e retornou para escolinha somente na primavera. Dessa vez foi para outra escola, de crianças até 6 anos, enquanto que a primeira era escola normal, do berçário até ensino médio. Como ele já estava maior a adaptação foi um pouco mais dolorosa, ele sabia que eu estava deixando ele lá, e chorava. Mas também durou poucos dias e em seguida já estava adorando a escola.

No que os pais mais devem prestar atenção depois que o filho passa a ser cuidado por terceiros?

Devem prestar atenção em todos os detalhes, em cada sinal que o filho dá. No meu caso, eu já não estava mais me acertando com a babá quando decidi re-colocar o Ruy na escola. Percebia que ele passou a chorar muito pra ficar com ela, o que não ocorria antes. Também conversei com vizinhos e descobri que ela o estava deixando sozinho no hall do prédio em que moramos, para fumar. Foi então que a despedi.

Lembro que na época eu pensava que o Ruy chorava porque estava começando a descobrir a separação entre nós. Pode até ser isso também, mas o melhor de tudo é confiar na intuição nessas horas. Mãe, via de regra, não se engana, peca pelo excesso.

Gostaria de deixar mais alguma dica para ajudar mamães com essa dúvida?

Acho importante estar atenta aos sinais que o filho dá.  Se ele não chorava e passou a chorar, se estava habituado a ficar com a pessoa ou na escola e passou a não querer mais, se dormia bem e passou a ter sono agitado, se parece ter medo, etc. Acho que qualquer sinal é importante ser considerado e avaliado, e se necessário, deve-se tomar providências.

Evidentemente que deve-se atentar para as “manhas” que os filhos fazem, e a necessidade que sentem de exercer  poder sobre nós, testando os limites. Particularmente, no que tange a babá ou escola, acho melhor a escola, acho mais fácil de detectar intercorrências. Mas não há coisa melhor que o contato filho-mãe, e às mamães que podem ficar com seus filhos até uma certa idade, acho que é melhor ainda.

Atualmente meu baby vai pra escolinha, mas trouxe minha mãe pra perto pra que possa me auxiliar sempre que necessário. Foi uma tranquilidade, pois tenho certeza que ele está recebendo amor o tempo todo de alguém.

Parabéns Juliana pelo teu lindo filho, e pelas dicas preciosas que só uma super mãe assim pode dar!

E você quer ler um pouco mais sobre a relação entre avós e netos? É só clicar aqui!

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *